Radinho de pilha ainda “pia”

Publicado em: 19/05/2010

Alexandre Gonçalves*

Marcelo Fernandes

Choveu e ventou muito ontem à noite em Florianópolis e por volta das 20h50min boa parte da cidade ficou sem energia elétrica. Meu bairro foi uma das regiões afetadas. Fiquei sem energia elétrica, por consequência, sem acesso à TV e internet, mas não sem acesso à informação graças ao radinho de pilha e ao brilhante trabalho da rádio Guarujá AM. Já no meio do programa de esportes Show de Bola, que vai ao ar das 20h às 22h, a emissora começou a informar a situação em ruas e bairros da capital e de cidades vizinhas. A partir das 22h, no Jornal da Guarujá, a cobertura dos estragos provocados pela chuva virou prioridade, com o comando do jornalista Marcelo Fernandes e a participação dos ouvintes através do chat do site da rádio. Foi com informações dos ouvintes que quem estava sem enérgia elétrica – meu caso – ficou sabendo do quadro em vários pontos da Grande Florianópolis. Ao usar a sala de bate-papo como canal de comunicação do ouvinte com a emissora, a Guarujá, que completou 67 anos na última sexta-feira e ainda dá os primeiros passos no Twitter (@radioguaruja), mostrou que ferramentas “mais antigas” da internet ainda são de grande utilidade. E faço menção também para o trabalho do narrador esportivo Janiter Decordes, que depois apresentar o Show de Bola, em vez de se dirigir para sua casa, por decisão própria, saiu com seu carro pelas ruas de Florianópolis, São José e Palhoça onde conferiu e transmitiu para os ouvintes da Guarujá informações sobre pontos de alagamento e outras complicações no trânsito. Janiter ficou circulando até 1h quando a Guarujá, a única emissora de Florianópolis que mantém programação jornalística à noite, 100% local, encerrou sua cobertura. Parabéns pelo trabalho. Este ouvinte agradece.

*Jornalista

2 respostas
  1. Marcelo Fernandes says:

    Caro Alexandre,
    Grato pelas palavras de reconhecimento. Rádio não é trabalho, é paixão, pra quem ouve ou pra quem faz. Uma velha campanha da ABERT lançou um slogan definitivo: “o brasileiro não vive sem rádio”. É a absoluta verdade. Recebo tua manifestação com carinho, humildade e, principalmente, com responsabilidade de tentar fazer melhor. Não foi nada que fizemos, além do que nossos mestres já fizeram – com muito mais brilhantismo – nos ensinaram. A gente ainda chega perto deles. Um forte abraço.

  2. Alexandre Gonçalves says:

    Muito bem colocado, Marcelo: rádio é paixão. De quem faz e de quem ouve. Por circunstância, trabalhei pouco em rádio (só no programa de rádio da UFSC nos tempos de faculdade), mas não abandono nunca a paixão de ouvinte de rádio que cultivo desde a infância. E que com certeza jamais deixarei de ter e de cultivar. Abraços e parabéns pelo trabalho – também por manter a programação local ao vivo nas noites da Guarujá.

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *