Radinho de pilha como companheiro dos solitários

Publicado em: 27/06/2006

Um comercial de televisão da copa mostra o papel do rádio como companheiro das pessoas que exercem determinadas funções solitárias. Embora essa não tenha sido a intenção do comercial, o protagonista do comercial, um segurança, revela o papel importante que o rádio ainda exerce para  um segmento profissional importante: aqueles que trabalham à noite e precisam se sentir conectados com o mundo. Considero esse comercial de TV em si hors-concours.
Por Chico Socorro

Por um vício de profissão, tenho prestado uma atenção especial nos principais comerciais inspirados no tema do momento: a copa mundial de futebol.
O meu outro vício, a paixão pelo rádio, me levou a prestar mais atenção ainda no comercial do MasterCard que a agência de publicidade McCann-Erickson do Brasil, responsável pela criação do mesmo, batizou de Sala de Troféus.
Estou seguro de que todos aqueles poucos Caros Ouvintes que porventura venham a ler este artigo viram esse comercial mais do uma vez pois o Brasil todo está ligado na copa. Considero esse comercial de TV um dos melhores com a temática da Copa.
Ele destaca-se pela sua originalidade, produção extremamente bem cuidada e a  excelente interpretação do ator que protagoniza o segurança. E vejam que ele aparece na telinha não mais do que 7 segundos, mas o seu tipo físico, seu gestual natural perante a cena surrealista em que os troféus de vários esportes ganham vida e, contagiados pelo clima da copa, começam a jogar, é convincente.
 
Mas, o que também chamou a minha atenção no comercial foi a presença  do radinho de pilha, aquele modelo com anteninha nas mãos do segurança.
 
A mensagem do comercial é que você pode comprar tudo com o MasterCard, mas, Todo mundo louco pela Copa do Mundo não tem preço. Simplesmente magistral como frase-conceito.
Convido vocês, aqueles que gostam de publicidade, a prestarem atenção nos detalhes do comercial – ele estará no ar até o fim da copa. Vocês vão notar que a cada veiculação descobre-se uma coisa diferente.
Um exemplo, os esportes representados são 4: futebol, beisebol, tênis e esgrima. E tudo comprimido em 30 segundos…
Agora voltando ao tema central do artigo, o rádio como companheiro de muitas profissões.
 
A presença do rádio como companheiro de quem exerce uma atividade solitária à noite é um fenômeno bastante conhecido.
É claro que em alguns casos, dependendo a profissão exercida, o radinho de pilha já foi substituído por aparelhos de TV de tamanho  bastante reduzido.
Ou então, nos dias atuais, os mais antenados tecnologicamente e com melhor padrão de vida e dependendo do ofício exercido já usam os modernos tocadores digitais de música  MP3, IPod, etc. ainda uma minoria, certamente.
E, no futuro, muito próximo,  entrarão em cena e serão popularizados gradualmente os celulares que reproduzirão o conteúdo da televisão – o modelo digital japonês permite que o sinal seja captado diretamente, sem passar pelas companhias telefônicas.
De acordo com  notícias veiculadas na imprensa nos últimos dias, o Ministro das Comunicações do Japão estará em nosso país no próximo dia 29 de junho para assinar o convênio que acaba de vez com a polêmica sobre o modelo digital a ser adotado, fazendo o Brasil entrar definitivamente na era digital através do modelo japonês.


{moscomment}

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *