RÁDIO DIÁRIO DA MANHÃ FAZ DEMONSTRAÇÃO DE TV EM FLORIANÓPOLIS

Publicado em: 26/03/2007

Numa noite tranqüila de primavera, sem anúncios prévios Chiquito Mascarenhas, o diretor artístico da Rádio Diário da Manhã surpreende os habitues do footing da Praça XV e os ouvintes dos 1010 quilociclos da emissora com um programa de televisão transmitido ao vivo e em preto e branco, porque as cores ainda não existiam para a TV.
 Por Antunes Severo

As primeiras imagens de TV em Florianópolis, e portanto em Santa Catarina, foram geradas em 1956, durante uma demonstração em circuito fechado transmitida do auditório da Rádio Diário da Manhã.
O fato me foi narrado por Sandro Mascarenhas em entrevista gravada em 28 de março de 2003 quando fazia pesquisa para o livro Caros Ouvintes – Os 60 anos do Rádio em Florianópolis, publicado em 2005 com a parceria de Ricardo Medeiros. Sandro é filho do então diretor da emissora, Francisco Mascarenhas, e, à época era técnico de som (o que hoje se chama de operador de áudio) da emissora. Entretanto, como o objetivo da pesquisa não era a televisão, confesso que deixei o assunto meio de lado.
Quando no final de 2005 comecei a pesquisar para outro livro – TV Catarina, a menina dos seus olhos, ainda não publicado – resolvi voltar ao assunto. Passei a buscar depoimentos de colegas que trabalhavam na Rádio Diário da Manhã na época referida pelo Sandro. Ele mencionara que a demonstração de televisão havia sido feita no início de 1956 e eu ainda não estava em Florianópolis. Eu aportei na Ilha somente em novembro de 1956.
Entre os entrevistados obtive informações afirmativas de Carminatti Júnior, Fernando Linhares da Silva e Augusto Mello. Carminatti confirmou haver participado como um dos locutores do programa transmitido. Fernando Linhares da Silva, além de confirmar lembrou da participação de Humberto Fernandes Mendonça, outro locutor da emissora.
E Augusto Mello, que era sonoplasta (operador de áudio com maior qualificação), completou o quadro descrevendo parte do equipamento utilizado na transmissão.
Como tudo aconteceu
Não obstante o ineditismo da iniciativa, tudo foi muito simples. O espetáculo era uma audição rotineira dos programas musicais de auditório que contou com o reforço de cantores do elenco da TV Tupi de São Paulo. A apresentação foi comandada por Francisco (Chiquito) Mascarenhas com locução comercial de Carminatti Júnior e Nívea Marques Nunes e a participação da orquestra e cantores do elenco fixo da emissora.
Os monitores foram instalados na marquise do prédio sede da rádio, no primeiro andar do número 11, da praça XV de Novembro, também sede do Banco INCO das famílias Bornhausen e Miranda Lins.
A iniciativa de Francisco Mascarenhas, primeiro diretor da Rádio Diário da Manhã, associada a outros investimentos feitos em programação e tecnologia de transmissão é um dos fatores que levaram a RDM à liderança do rádio local e o destaque que obteve no rádio brasileiro através das transmissões em ondas curtas nas décadas de 1950 e de 1960.
::  Trecho da Entrevista de Sandro Mascarenhas


{moscomment}

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *