Rádio Espírito Santo de Vitória e a radiodifusão no Brasil hoje – 4

Publicado em: 22/07/2010

Domingos Alfredo Loss

Emissoras pertencentes ou alugadas para seitas religiosas estão disseminadas por todo o país, sem qualquer compromisso com os princípios e normas da radiodifusão brasileira. Um movimento maciço que começou pelas ondas curtas alugadas, estende-se hoje a um número sem conta das ondas médias e começa a respingar também nas emissoras em frequência modulada. E como se isso não bastasse esse movimento atinge também algumas redes nacionais.

Como católico tenho todo respeito pelas demais manifestações religiosas, considero absurdas as manifestações de certas crenças que se exprimem aos gritos enlouquecidos e enlouquecendo os ouvintes com suas barbaridades sem sentido. E o que é ainda pior: falam mais em Satanás do que no próprio Cristo. Com essa anti-programação só fazem comprometer ainda mais a imagem do verdadeiro sentido do rádio.

Outra anomalia é o caso, por exemplo, da Rádio Clube Paranaense, uma das pioneiras do país que atualmente retransmite a programação da Rádio Eldorado de São Paulo em ondas curtas, médias e frequência modulada. Como repetidora da Rádio Eldorado, a histórica PRB-2 transforma a emissora paulista em usuária de canais de ondas curtas que ela não tem.

O caos que atinge a radiodifusão brasileira é particularmente ameaçador no que se refere às emissoras em ondas curtas que, em grande parte, estão desativadas sem que haja a necessária fiscalização por parte do governo federal. Bem que essas concessões que não estão em uso poderiam ser colocadas em licitação para que outros radiodifusores possam utilizá-las. É o caso da Rádio Clube Paranaense de Curitiba cujas emissoras de ondas curtas nas faixas de 31 e 25 metros estão desativadas; também está fora do ar o canal de ondas curtas da Rádio Timbira de São Luiz do Maranhão que é do governo estadual e tem licença para operar na faixa de 19 metros.

Finalizando, quero dizer que ainda creio na recuperação de nossas emissoras hoje tão abandonadas e até defendo que cada estado e território deveria ter pelo menos uma emissora de ondas médias e outra de ondas curtas para difundir a cultura, as tradições e o desenvolvimento de cada uma das unidades da federação. Como é o caso da Rádio Espírito Santo de Vitória; Rádio Difusora de Sergipe; Rádio Antares do Piauí; Rádio Cultura do Pará; Rádio Difusora de Alagoas; Rádio Roquete Pinto do Rio de Janeiro; Rádio Difusora de Macapá; Rádio Educativa do Paraná, entre outras.

O Brasil é um país continental, está entre os cinco maiores do planeta ao lado da China, Estados Unidos, Canadá e Rússia. Através das ondas curtas nas capitais de todos os estados da Federação, poderiam se unir os brasileiros de todas as regiões, na sua cultura, no turismo, nos hábitos e costumes servindo como suporte à segurança nacional.

Técnico de Comunicações e Radialista aposentado

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *