Radioamadorismo: origem da radiodifusão no mundo

Publicado em: 23/01/2010

Ivan Dorneles Rodrigues*

A invenção da Radiodifusão – transmissão de música, palestras e noticiários pela Telefonia Sem Fios – atribuiu um cunho muito especial ao Radioamadorismo, não só estrangeiro, como português, de 1920. Tal característica consistiu no extraordinário desenvolvimento dos Amadores Radioescutas, e no aparecimento de Estações Transmissoras de Radioamador, emitindo programas de música e noticiários, sem qualquer interesse lucrativo ou comercial.

Em todos os países surgiram três espécies de Senfilistas: os antigos Emissores experimentais amadores de comunicações; os Emissores amadores da transmissão de música e noticiários; e os Radioescutas, amadores que, na sua grande maioria, construíam eles próprios os respectivos aparelhos receptores de T.S.F. (telefonia sem fios).

Vejamos, pois, a história, que é pouco conhecida, do Radioamador Americano que inventou a Radiodifusão, em 1920, (imagem do que, em Portugal, veio a ser a Estação de CT1AA).

Em 1919, o Radioamador Americano Dr. Frank Conrad, mais tarde Assistente Chefe Engenheiro da “Westinghouse Electric and Manufacturing Company”, e residente nesse tempo em Wilkinsburg, Pensylvania, nos Estados Unidos da América do Norte, era titular da Estação Emissora de Radioamador 8 XK, consoante os indicativos que então se usavam na América do Norte.

Inventada nos anos anteriores a Radiotelefonia – transmissão modulada da palavra e da música e já não apenas de sinais telegráficos – o Dr. Frank Conrad lembrou-se de instalar na garagem da sua casa o seu Posto Emissor Radiotelefónico, de 75 Watts, 8 XK, com o qual passou a transmitir composições musicais, para outros entusiastas Emissores e Radioescutas em comprimentos de onda inferiores a 100 metros…

Segundo o Professor Universitário Americano Charles Rolo, na sua obra de 1943, com múltiplas edições em Inglaterra, “Radio Go To War” – “A Rádio vai para a Guerra” – foi esta a primeira aplicação da T.S.F. à Radiodifusão – ou seja, à transmissão regular da música, noticiários e passatempos pela Telefonia Sem Fios.

O entusiasmo pelas emissões de música da garagem do Dr. Frank Conrad atingiu em breve tal repercussão pública que uma casa comercial, de outra cidade, Pittsburhg, passou a fornecer pequenos aparelhos receptores de T.S.F., logo adquiridos por numerosos compradores, e com os quais mais e mais amadores se dedicavam às maravilhas da fascinante escuta dos concertos da casa do Dr. Conrad.

Tal como a utilização do cinema não revelou desde logo as suas maravilhosas, imensas e poderosas possibilidades de aplicação comercial aos irmãos Lumière, e foi o genial talento de Georqes Meliè, em França, o primeiro a descobrir as aplicações sociais e comerciais do extraordinário invento – assim também não foi o entusiasta e generoso Dr. Frank Conrad, como inventor da Radiodifusão segundo o Professor Charles Rolo, o primeiro a explorar suas inesgotáveis possibilidades monetárias.

Este Dr. Frank Conrad era um Radioamador dedicado e entusiasta; mas em breve a ”Westinghouse Compary’ se deu conta do imenso valor da Radiodifusão comercial nascida da ideia desse Radiófilo – e assim construiu por sua vez a Estação Emissora KDKA, que foi primeira Estação permanente comercial de Radiodifusão do mundo.

Essa primeira Estação Comercial de Radiodifusão iniciou as suas atividades em dois de Novembro de 1920, anunciando o resultado das eleições presidenciais Harding-Cox, com a vitória do Presidente Harding, realizadas justamente nessa data, escolhida para a inauguração da Emissora.

[email protected]
(c) A.R.A.S.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *