Raspinha de panela de acampamento, que delícia!

Publicado em: 07/01/2012

Tributo ao chefe escoteiro Paulo Roberto Guimarães

Uma das características de nossos grupos escoteiros é a reunião de integrantes vindos de todas as classes sociais, políticas e econômicas. Uma vez admitidos no movimento desapareciam as diferenças e passava a valer o caráter de cada um. Mas, alguma coisa inusitada sempre acaba acontecendo para desespero de uns e festa de outros. Por mais disciplina que haja nas atividades e nos acampamentos, sempre é bom lembrar que todos são pessoas e por isso suscetíveis de gerar surpresas. Pois foi o que aconteceu em determinado momento em meu próprio grupo.
Imagine um menino filho de família abastada – dessas que têm mordomo, governanta, mucama e garçom – famélico diante de um panelão enorme, onde foi feita uma macarronada de cerca de vinte quilos, com uma quantidade imensa de molho de tomate e cinco quilos de salsicha em rodelinhas às escuras na mata de um acampamento…

Tudo bem… Fome de adolescente tem lá seus mistérios… Mas disputar a lavação do dito panelão para aproveitar-lhes a raspinha… É uma coisa incomum. Isso era um espetáculo impensável, pois além desses meninos de famílias abonadas tínhamos uma duplinha memorável de fominhas tradicionais: o Nego Luiz e o Marquinhos.

Estava criada a situação que exigia a mediação do Chefe que devia encontrar uma solução salomônica. Então não me fiz de rogado de imediato anunciei: “Cada um dá duas raspadinhas de leve e passa para o seguinte. A dupla que vai lavar o panelão fica com a melhor sobra”.
De repente um grito e uma correria uma uma cobra ratearia, também apreciadora de macarronada,joga-se dentro do panelão, bota a língua pra fora e arreganha os dentões para os pretensos ajudantes de cozinha.

– Chefe, Chefe! Corre aqui, vem ver que monstro…

Sem exagero, a também chamada cobra rateira teria mais de um metro e um corpo roliço que poderia dar possíveis filezinhos.

Foi um rebuliço danado. E a decisão foi unânime: Passo frio, passo fome, mas cobra no meu panelão não come. Pois o panelão ficou sujo por mais de uma semana – eis que a cobrona saciada, só muito depois, se foi toda rebolida para dentro das macegas.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *