Relatório da OMS mostra avanço global para reduzir mortalidade infantil

Publicado em: 16/05/2013

Agência da ONU disse que o mundo progrediu também para melhorar o nível de nutrição e reduzir mortes e doenças causadas pelo HIV, tuberculose e malária; documento detectou uma redução na diferença dos índices de saúde entre os países ricos e pobres.

Mídia | Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O Relatório Mundial de Estatísticas de Saúde 2013 mostrou que houve uma queda na diferença entre os índices de saúde dos países ricos e pobres.

O documento é preparado anualmente pela Organização Mundial da Saúde, OMS, e reúne dados de 194 países. Ele mostrou que nas últimas duas décadas as condições de saúde das nações menos privilegiadas melhoraram significativamente.

Desafios

A diretora-geral da agência da ONU, Margaret Chan, afirmou que apesar desse progresso, muitos desafios continuam para atingir as metas do milênio, em 2015.

Segundo ela, a menos de mil dias do prazo final para atingir os objetivos é hora de se perguntar se os esforços fizeram a diferença para reduzir as desigualdades inaceitáveis entre ricos e pobres.

O relatório faz uma comparação do progresso obtido entre os países com os melhores e os piores desempenhos no setor de saúde nos últimos 20 anos.

Avanço

Ele mostrou que houve um avanço grande na redução da mortalidade infantil e materna. Por exemplo, em 1990, o índice de mortalidade infantil, nos países mais pobres, era de 171 mortes por cada 1,000 nascimentos. Esse número caiu para 107, em 2011.

Bangladesh, Butão, Laos, Madagascar e Timor-Leste conseguiram melhorar as condições de saúde e não estão mais no grupo dos países com os piores resultados.

Metas

A OMS afirmou que apesar de 27 nações terem atingido as metas do milênio, o ritmo atual de avanço não será suficiente para atingir o objetivo global até 2015. A ideia é reduzir em dois terços os níveis registrados em 1990. Outra queda foi registrada na mortalidade materna e também, nas mortes e doenças causadas pelo HIV, vírus que causa a Aids, tuberculose e malária.

O relatório mostra ainda alguns pontos importantes que precisam ser combatidos. Segundo a OMS, 15 milhões de bebês prematuros nascem todos os anos, um milhão acabam morrendo.

Diabetes

O nascimento prematuro é maior causa de mortes entre os recém nascidos e a segunda maior, perdendo apenas para a pneumonia, entre crianças com menos de 5 anos. O documento diz que 10% da população mundial sofre de diabetes e muitos países de média e baixa rendas sofrem com a falta de medicamentos no setor público.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *