Santos FC – Cem Anos!

Publicado em: 15/04/2012

Sou santista desde que me conheço por gente! Por quê? Bem, certas coisas não têm nem precisam de explicação, sobretudo quando vêm do coração, quando é coisa de pele. É verdade que eu nasci em Santos e daqui me ausentei por apenas um ano. E vim ao mundo quando o Santos FC já vencia tudo e era a corte de um rei coroado aos dezessete anos, nas terras da rainha Cristina. Mas meu pai, um de meus irmãos mais velhos e tios eram, perdoem-me a palavra, corintianos. Argh! Ou torciam para a “burrinha”, Portuguesa Santista.

Só sei que naturalmente passei a torcer para o alvinegro praiano, fascinado pelo branco do uniforme n. 2 que virou n.1; pelo contraste dos deuses negros que reescreveram a história do futebol brasileiro, transformando o “complexo de vira-lata” de Nelson Rodrigues em Baleia, que colocou o Brasil no mapa; que conquistou três títulos mundiais de seleções e dois de clubes; que encantou o mundo, parou guerra, ganhou tudo o que disputou, mas que um dia um comentarista caquético e anacrônico anunciou, com prazer mórbido e sarcasmo, que havia acabado, porque seria apenas Pelé…

Tolo!

Antes do Rei, o Santos já havia sido santificado por Feitiço, Patuska, Antoninho, Vasconcellos, Pagão… Eta time ecumênico: até Feitiço e Pagão se converteram!

E com Pelé houve Coutinho, Edu, Mengálvio, Pepe, Dorval, Zito, Mauro, Clodoaldo, Gilmar, Tite, Carlos Alberto, Toninho, Cejas e tantos outros, que conquistaram mais títulos em poucos anos do que qualquer outro time.

O Santos acabou em 1974? Não! Só achou de deveria dar uma chance para os demais, talvez um pouco cansado de “carregar o piano”. Esse ano também foi o marco de um Brasil que perdeu a nobreza conquistada, quando resolveu jogar igual aos europeus. Perdeu o respeito por si próprio, que só foi reconquistado por Telê e Felipão, e hoje crê que é preciso jogar na Europa para “ganhar maturidade”… Quem acredita nisso, que vá trabalhar lá!

É verdade que tivemos um prolongado jejum de títulos… Mas jejuar também é coisa de santos! A gente faz isso para purificar e evoluir!

Desafio: alguém conhece um time que tenha sido berço de tantos craques?
Além dos já mencionados: Cláudio Adão, Juary, Pita, Diego, Robinho, Ganso, Neymar…

Por aqui também passaram alguns dos maiores maestros do meio de campo, como: Aílton Lira, Dema, Deodoro, Giovanni, Paulo Isidoro… E endiabrados como: Almir “Pernambuquinho” e Serginho “Chulapa”.

Um passado de glória – que já o era antes de Pelé & Cia. -; que sempre primou pelo futebol-arte, enfrentando o “Trio de Ferro” paulista ou o Real Madrid, de Di Stefano; que sempre ganhou seus títulos no campo de jogo!

O Santos criou a maioria de seus inúmeros e espetaculares craques.

A Baleia virou Peixe, pela voz de um radialista dos anos de 1970, mas nunca perdeu sua grandeza ou realeza, de um time que honra seu hino: “No Santos pratica-se o esporte com dignidade e com fervor, seja qual for a sua sorte, de vencido ou vencedor!”. O Santos não é apenas um time de raça, pois aqui todas sempre tiveram vez: brancos, negros, orientais, índios…! Ganhou o mundo “sin perder la ternura”, porque nunca se achou pequeno!

Será por isso que sou santista?

Pouco importa… Amor não precisa de explicação!

Parabéns por este centenário, Santos! Parabéns por cem anos de futebol-arte, Brasil!

Ouça textos do autor em: www.carosouvintes.org.br (Rádio Ativa)

Leia outros textos do autor e baixe gratuitamente os livros digitais: Sobre Almas e Pilhas e Dest Arte em: www.algbr.hpg.com.br | Conheça as músicas do autor em: br.youtube.com/adilson59 |E-mails: [email protected] e [email protected] | (13) 97723538

1 responder
  1. Antunes Severo says:

    Adilson esclarece:
    PS.: O hino que mandei é o oficial. O que vocês colocaram é o do Campeonato Paulista de 1955, que ainda é o mais conhecido, inclusive porque tocado nas vinhetas das rádios paulistas. Concordo que é mais bonito e animado, até porque o “Santos, sempre Santos!” é um “porreta” de refrão.
    Você sabia que um dos fundadores do Santos era de Floripa?
    PS do PS.: Que tal mais um crônica com a história da fundação, contando quem é o personagem e tocando o hino oficial?

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *