Sexo e sensualidade

Publicado em: 17/04/2011

Diga: não é tão bom estar apaixonado? Os olhos dilatam, têm mais brilho. Somos mais eficientes, brilhantes e nos sentimos capazes de ultrapassar todos os obstáculos impossíveis. Não é tão bom ser sensual? Nadar nu, comer ouvindo o mar, ou a melodia do vento acariciando a natureza com a pessoa que nos atrai irresistivelmente, fazer amor sem reserva ou inibição. Espreguiçar o corpo quente mesmo que a noite seja fria, ter alegria na dádiva onde nada é mal nem bem, errado ou certo, apenas sintonia? Para os gregos a qualidade do amor dependia da separação entre a sua nobreza e a vulgaridade. Quando o indivíduo se centraliza na vulgaridade se descentraliza de si mesmo e de seu eu não podendo sentir a espontaneidade do amor.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *