Tudo já foi descoberto. E agora, quem fará o quê?

Publicado em: 22/12/2013

O Arnaldo Jabor é um cara que muitos de nós admiramos. Não só pela facilidade da palavra escrita, como da falada, mas pela coragem em dizer o que pensa – e como pensa! – dos governantes e fazedores de leis.

[ Por Donato Ramos  ]

imgresTambém, já foi de tudo! Até cineasta! Dia destes, entrevistado pelo Jô Soares, encurralado pelo gordinho não conseguiu falar nada sobre política. O que será que aconteceu lá na Globo…? Por que o Jô não perguntou nada? Por que, então, o Jabor foi convidado para o programa? São mistérios que nunca serão desvendados. Deixa pra lá.

Mas estou cá comigo matutando: o Jabor vai acabar desistindo disso tudo, de escrever e acabará fazendo filmes novamente, pra não ter um troço qualquer hora, engasgado com a sua indignação quando vê a morosidade da Justiça, com a falta de punição dos culpados de todo o roubo, subornos, mentiras daqueles que já foram denunciados, catalogados, excluídos, mas que continuam com o dinheiro que é do povo e de mais ninguém.

Num dos seus últimos artigos ficou evidente essa indignação:

“E a população ignorante engole tudo. Como é possível isso?

Simples: o Judiciário paralítico entoca todos os crimes na fortaleza da lentidão e da impunidade.

Só daqui a dois anos serão julgados os indiciados – nos comunica o STF.

Os delitos são esquecidos, empacotados, prescrevem.

A Lei protege os crimes e regulamenta a própria desmoralização. Jornalistas e formadores de opinião sentem-se inúteis, pois a indignação ficou supérflua.

O que dizemos não se escreve, o que escrevemos não se finca, tudo quebra diante do poder da mentira desse governo.

Sei que este é um artigo óbvio, repetitivo, inútil, mas que tem de ser escrito…

Está havendo uma desmoralização do pensamento. Deprimo-me:

Denunciar para quê, se indignar com quê? Fazer o quê?”. “A existência dessa estirpe de mentirosos está dissolvendo a nossa língua”.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *