Turismo espacial evolui rapidamente

Publicado em: 23/06/2014

MILTON – Bom dia, Ethevaldo, como vai?

ETHEVALDO: Bom dia, Milton, bom dia, ouvintes. Tudo ótimo.

MILTON – Ethevaldo, você acredita no futuro do turismo espacial?

ETHEVALDO: Acredito, Milton. E começo por lembrar que 305 milionários chineses acabam de reservar um lugar nos próximos voos orbitais que serão proporcionados pela empresa holandesa Space Expedition Corporation (SXC).

MILTON – Quanto custa uma viagem em torno da Terra?

ETHEVALDO: O menor preço hoje é de US$ 100.000 por um voo orbital que garante apenas 5 minutos em gravidade zero.

MILTON – Você pagaria 100.000 dólares por 5 minutos de gravidade zero?

ETHEVALDO: Se tivesse milhões, pagaria, Milton. Não seriam apenas os 5 minutos de gravidade zero, mas o tempo restante do voo orbital e a visão deslumbrante deste planeta azul lá do espaço.

MILTON – Por que o turismo espacial está evoluindo tão rapidamente?

ETHEVALDO: Por duas razões, Milton. Em primeiro lugar, porque a NASA cortou 9.000 de empregos nos últimos quatro anos. A maioria desses especialistas foi contratada por empresas privadas – como a Virgin Galactic, do bilionário Richard Branson e outras nos EUA e na Europa.

Em segundo lugar, porque a tecnologia dos veículos espaciais evoluiu de tal forma que eles se tornaram muito mais seguros e mais baratos. As primeiras viagens turísticas espaciais foram feitas à Estação Espacial Internacional pela nave Soyuz russa e custavam algo próximo de US$ 20 MILHÕES.

MILTON – E já existe um calendário de voos orbitais desse tipo?

ETHEVALDO: O que existe, Milton, é a aprovação das autoridades aeronáuticas norte-americanas para os primeiros voos em 2015 e 2016. Uma das primeiras empresas a obter essa autorização é a Virgin Galactic, que já tem até sua base de lançamentos e aterrissagem, chamada spaceport, construída no Deserto de Mojave, na Califórnia.

MILTON – Qualquer pessoa poderá viajar ao espaço?

ETHEVALDO: Não, Milton. É preciso ter boa saúde, não pesar mais do que 125 quilos e passar pelo treinamento de gravidade zero.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *