TV Catarina apresenta: Assis Chateaubriand – 2

Publicado em: 02/11/2008

“Decidimos rasgar o script e mandar ver do jeito que desse!” A frase de Cassiano Gabus Mendes está no registro histórico da implantação da TV no Brasil. E, de certa maneira, até hoje continua valendo para a tomada de decisão em algumas empresas do ramo.As trapalhadas, como uma espécie de sina continuam rodando profissionais e empresários meio século depois.  Pouco se sabe, porém, se a inspiração vem dos modos irreverentes e muitas vezes insólitos de administração do pioneiro Assis Chateaubriand ou se é marcação de detratores do grande veículo de comunicação.

Um dos causos que correm soltos nos escritos dos anos de 1950 relata que alguém resolve comemorar a inauguração da emissora quebrando uma garrafa de champanhe contra a câmara. A verdade, entretanto, parece ser mais prosaica: a câmara deu pau no momento em que deveria ser iniciada a transmissão da cerimônia inaugural da PRF-3 TV Tupi – a primeira emissora de televisão do país, no dia 18 de setembro de 1950.

Cassiano Gabus Mendes, um dos primeiros diretores de televisão do Brasil, também presente ao momento histórico da inauguração da TV Tupi, em depoimento a Liba Frydman, autora da crônica Pequena história da TV, fala dos desacertos e improvisos que marcaram essa inauguração:

“Foi um corre-corre! Tudo pronto, tudo ensaiado com um script muito bem organizado, tudo marcado, e quebra a câmara. O técnico americano, Walter Obermiller, que veio instalar o equipamento no Brasil, havia ido embora sem esperar a inauguração. Pois bem, no meio do pandemônio, Jorge Edo, nosso responsável pela parte técnica, tentava desesperadamente consertar a câmara. O tempo corria e nada. Foi quando, de comum acordo, Costalima e eu decidimos rasgar o script e mandar ver do jeito que desse, com duas câmaras mesmo”.

Antes da inauguração oficial, entretanto, a emissora vinha realizando transmissões experimentais. Nos estúdios improvisados no auditório do Museu de Arte de São Paulo concentrou-se o treinamento do pessoal técnico e de operação.

Walter Tasca, o primeiro câmera-man da América Latina, “foi quem mandou para o ar a imagem de Frei Francisco de Guadalupe Mojica, que havia trocado recentemente a fama mundial de astro do cinema de Hollywood pela batina de frade franciscano”. Ainda de acordo com o relato de Liba Frydman “As imagens transmitidas foram saudadas com vivas e hurras, num entusiasmo que não esfriou mesmo quando passou de boca em boca o alto custo dos aparelhos de TV”.

Aliás, o alto custo dos receptores levou Assis Chateaubriand a importar – mesmo de forma irregular – uma centena de aparelhos que foram instalados em pontos estratégicos no centro da cidade de São Paulo e em residências de empresários e de políticos proeminentes.

Na próxima semana: A história da televisão em Santa Catarina começa em Florianópolis. “Ólhó, lhó! Tais veno? Si mexe. É qui nem cinema! É piquininim assim pruquê é de grátis, não tem?”

2 respostas
  1. José Eli francisco says:

    Caro Antunes . Sei que você foi um dos presidentes do Sindicato dos Radialistas (alias um dos fundadores também) . Meu respeito e consideração por isso e hoje , o Hugo Silveira Lopes é o atual . O Hugo , para quem não sabe é um dos autores da lei 6.615 (fez parte da comissão) que regulamentou a profissão de radialista . Um dos congressos (e foram três : P.A., Fpolis e RJ) portanto o Hugo é o testemunho vivo da luta pela regulamentação da profissão .
    Quanto ao sindicato regional norte/nordeste foi por solicitação do próprio Hugo para que houvesse essa descentralização . Joinville é a maior cidade do Estado e a região tem regular abrangência . O Hugo tentou fazer isso com outras regiões , mas não deu certo . Só a nossa vingou . Nossa diretoria executiva é formada por José Eli francisco (presidente) Acácio Martins , Nilson Gonçalves , Érico Cruz de Oliveira , Osvaldo David Agra Filho e Osny Almeida Martins – diretores .

  2. Antunes Severo says:

    Caro Chico (para usar a intimidade com que o Hugo te trata), agradeço teu registro, mas preciso fazer uma pequena correção. Participei da criação da Associação Profissional dos Trabalhdores em Empresas de Radiodifusão e Televisão de Santa Catarina, em 1963. Contribui para a eleboração da proposta do Estatuto da entidade e fui o relator na assembléia de ciração da Associação. Participei da comissão que deu a redação final ao Estatuto e fui eleito para o Conselho Fiscal na primeira diretoria. Portanto, no que se refere ao Sindicato eu apenas acompanhei o movimento que levou ão seu reconhecimento pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social. A primeira diretoria do sindicato foi integrada por Edegard Bonassis da Silva, presidente; Jorge Cherem, vice-presidente; Humberto Fernandes Mendonça, secretário e Oscar Vieira Filho.

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *