Uma palavra de despedida, apenas: eternidade

Publicado em: 27/01/2013

É como se fosse a eternidade o curso definitivo superior ao qual chegamos pelo vestibular da Morte, preparados pelo cursinho da vida eterna. Por isto, a importância compreensível e indispensável que damos à passagem pela terra…
É em torno da vida humana que se formam todos os códigos e todas as leis…
Daí o incrível dos tempos modernos em que se aponta como reivindicação humana (?) tanto o aborto como a eutanásia… Daí partindo para a morte por motivos eugênicos e até políticos! O que vale, a cada um de nós, é encararmos o nosso fim como não sendo realmente o fim: é etapa a ser cumprida, meta que atingiremos e que nos cumpre atingir bem…

Nossos esforços deveriam ser conduzidos, ou pelo menos tentados para que, quando morrêssemos: Merecêssemos uma lágrima em memória dos sorrisos que houvéssemos possivelmente propiciado; Deixássemos alguma saudade, em face das esperanças que tivéssemos possibilitado;

Não desse à nossa morte alívio, porque em nossa vida o alívio de outrem tivesse sido nossa preocupação; Legássemos um vazio, pequeno embora, porque nossa presença houvesse sido útil;
Inspirasse mais “um até à vista” do que um “adeus”; Sentíssemos a mão piedosa que nos fechasse os olhos, porque havíamos ajudado a que se visse;

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *