Uma palavra de despedida, apenas: fraternidade

Publicado em: 10/02/2013

Definido: para o bem do menino, haveria o compromisso de nunca procurá-lo:
– Você nunca mais vai vê-lo… Você tem que jurar… Pra nós dois, é como se ele não existisse. Ele só tem um aninho, vai ser fácil pensar que o pai morreu, ou que desapareceu no mundo… Jura ! Jura !
– Juro !
Parecia-nos que tudo houvesse transcorrido normalmente, mas com muita emoção.
Seus irmãos encheram-lhe de perguntas, uma atrás da outra, ele respondendo- muitas vezes com evasivas- mas respondendo.
Depois as outras irmãs, já em datas posteriores, em Curitiba, com a mesma sofreguidão, entulhavam a cabeça do rapaz, já aturdido, meio apavorado, com a fome perdida naquele restaurante, o Imperatriz, onde o encontro foi marcado. Lá pelas tantas, desabafa:
-É uma loucura pra minha cabeça… Até bem pouco tempo, me sentia sozinho, com apenas uma irmã mais nova e, agora, tenho um monte de parentes?
O sentimento das pessoas é bastante interessante, incompreensível, fechado dentro da alma, dentro do tempo, que a nossa filosofia não alcança.
Ele pensa:
– Sou muito pequeno, para entender, confesso. Quando achava que este capítulo da vida pudesse amainar o que o tempo teimou em não engolir, que ele tivesse a intenção de se inserir numa etapa diferente da vida até então vivida, perdoando, até, o esquecimento pela vida obrigado a existir, desaparece da vida de todos nós.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *