Uma palavra de despedida, apenas: telefonema

Publicado em: 17/03/2013

Diferente da vida até então vivida, perdoando, até, o esquecimento pela vida obrigado a existir, desaparece da vida de todos nós.
Nem um telefonema, nem uma carta, nada. Novamente o caos, novamente a mesma coisa, a mesma espera, o vazio na alma de um, sem a vivência tão esperada durante vinte e seis anos.
Algum telefonema, de pouca valia, aconteceram. Mas era um tom seco, de desconhecido. Não viajava mais, não telefonava mais, não mais apareceu. Matou a curiosidade e, para ele, apenas isso bastava. Haverá algum novo capítulo…? Nenhum, talvez. Não se tem mais tempo.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *