We Are The World

Publicado em: 12/07/2009

Encontrei na bonita composição Rosa, nada menos que 17 palavras que não são comuns no cancioneiro popular do Brasil. Algumas delas são exclusivas dessa canção que foi lançada em 1931 pelo cantor das multidões, Orlando Silva.A melodia, cheia de acordes difíceis, é de Pixinguinha, consagrado músico e compositor.
A letra, que deve ter sido colocada por Otávio de Sousa depois de feita a música, é uma das mais bem elaboradas da MPB. 

Rosa, de Pixinguinha e Otávio de Sousa

Tu és divina e graciosa
Estátua majestosa
No amor!
Por Deus esculturada
E formada com ardor…

Da alma da mais linda flor
De mais ativo olor
Que na vida é preferida
Pelo beija-flor…

Se Deus
Me fora tão clemente
Aqui neste ambiente
De luz, formada numa tela
Deslumbrante e bela…

Teu coração
Junto ao meu lanceado
Pregado e crucificado
Sobre a rosa e a cruz
Do arfante peito teu…

Tu és a forma ideal
Estátua magistral
Oh! alma perenal
Do meu primeiro amor
Sublime amor…

Tu és de Deus
A soberana flor
Tu és de Deus a criação
Que em todo coração
Sepultas um amor…

O riso, a fé, a dor
Em sândalos olentes
Cheios de sabor
Em vozes tão dolentes
Como um sonho em flor…

És láctea estrela 
És mãe da realeza
És tudo enfim
Que tem de belo
Em todo resplendor
Da santa natureza…

Perdão!
Se ouso confessar-te
Eu hei de sempre amar-te
Oh! flor!
Meu peito não resiste
Oh! meu Deus
O quanto é triste
A incerteza de um amor
Que mais me faz penar
Em esperar
Em conduzir-te
Um dia ao pé do altar…

Jurar aos pés do Onipotente
Em preces comoventes
De dor, e receber a unção
Da tua gratidão…

Depois de remir meus desejos
Em nuvens de beijos
Hei de envolver-te
Até meu padecer
De todo fenecer…

Significados para as palavras usadas em Rosa:

1.  majestosa (imponente, grande)
2.  esculturada (criada)
3.  olor (cheiro, odor, aroma)
4.  clemente (que tem clemência, bondoso, compassivo)
5.  lanceado (ferido com lança)
6.  arfante (ofegante)
7.  perenal (perpétua, contínua, incessante, ininterrupta)
8.  soberana (que ocupa o primeiro lugar)
9. 10.  sândalos olentes (árvore indiana cheirosa)
11. dolentes (dolorosos)
12. láctea estrela  (da cor do leite)
13. realeza (dignidade de rei)
14. resplendor (claridade intensa)
15. Onipotente (todo-poderoso)
16. unção (sentimento piedoso)
17. fenecer… (acabar, extinguir-se)

Para ouvir Rosa, na interpretação de Luciana Mello, acesse:

Quem disse ou pensou que Carlos Drumond de Andrade (*) não dava samba? O cearense Paulo Diniz (**), compositor e cantor, se fez parceiro do grande poeta mineiro e sambou com E agora José?

Para ouvir Carlos Drumond de Andrade declamando sua famosa poesia E agora José? acesse:
(http://www.youtube.com/watch?v=2Dl2A-L49iw)

Para ouvir essa mistura que muitos nem imaginam ter sido possível, a união de versos de Drumond com a música de Diniz, acesse:
(http://www.youtube.com/watch?v=R_4NS50okUc)

(*) CARLOS DRUMOND DE ANDRADE – 1902-1987
Nasceu em Itabira (MG) e faleceu no Rio de Janeiro. Iniciou-se na    literatura aos 22 anos. Formado em Farmácia, nunca exerceu a  profissão.
É considerado um dos melhores poetas de todos os tempos. Foi mestre na crônica, retratando a realidade cotidiana, com fino senso de humor  e ironia.             

(**) PAULO DINIZ – 1934-1996
Locutor, ator, baterista, compositor e cantor, nasceu em Pernambuco (Pesqueira). Fez carreira em Recife, depois em Fortaleza/Ceará e depois se transferiu para o Rio de Janeiro, onde gravou vários discos na Odeon. Seu maior sucesso foi Quero voltar pra Bahia. Morreu aos 61 anos.
Drummond escreveu que depois de ouvir E agora José? com a melodia de Diniz não conseguia mais ler o poema sem cantar a música.

O site da ABERT informa

“O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) protocolou nesta quarta-feira (8-7) a Proposta de Emenda à Constituição 386/2009, que restabelece a necessidade do diploma para o exercício da profissão de jornalista no país. A matéria recebeu 191 assinaturas, 20 além do necessário para tramitar na Casa.

Segundo o deputado, a proposta foi formulada depois de sucessivas reuniões com jornalistas, professores e estudantes de jornalismo. No mês passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu acabar com a exigência do diploma.

‘Foi extremamente importante a rápida reação da sociedade, desaprovando o absurdo cometido pela Corte Suprema brasileira, e que abriu precedente para a desregulamentação de outras profissões’, avalia Pimenta.

O deputado justifica a proposta afirmando que a atividade do jornalismo ‘é mais do que a simples prestação de informação ou a emissão de uma opinião pessoal’. ‘Ela influencia na decisão dos receptores da informação, por isso não pode ser exercida por pessoas sem aptidão técnica e ética’, afirma Pimenta.

A PEC segue agora para a Comissão de Constituição e Justiça, que irá analisar a constitucionalidade da proposta, o que ainda não tem data para ocorrer.”

Rádio Metodista On-Line

Rádio-on-line tem vida inteligente sim (acesse http://www.metodista.br/radio). Criada em  1992, é transmitida via internet desde maio de 2005. Em 2006, foi escolhida como a melhor rádio web do ano.

“A Rádio Metodista On-Line é uma emissora pertencente à Universidade Metodista de São Paulo, sediada em São Bernardo do Campo. Operando desde maio de 2005, é gerenciada pela Agência de Comunicação Multimídia da Faculdade de Comunicação Multimídia.

A rádio está disponível de segunda a sexta, no horário das 8h00 às 21h00, acompanhando o período letivo dos alunos. Dois professores do Curso de Rádio e Televisão respondem pela qualidade e coerência da programação. As equipes técnicas e de produção são formadas por alunos estagiários das diversas séries e Cursos da Instituição.”

Muito interessante essa realização da Universidade Metodista de São Paulo, que tem sua sede em São Bernardo do Campo (SP), fazendo com que seus alunos coloquem a mão na massa e se inteirem da profissão enquanto frequentam suas faculdades.

Outro exemplo prático de como adquirir experiência durante o período universitário, constatei domingo (5-7) no fim de noite da programação da TV Gazeta de São Paulo.

Esta emissora, pertencente à Fundação Cásper Libero, abre espaço para os alunos de rádio e TV da Faculdade Cásper Líbero fazerem um programa de televisão por inteiro (acesse http://www.facasper.com.br/jo/edicao_extra.php):
  
“O Edição Extra é o único programa-laboratório do país apresentado em TV aberta. Durante 30 minutos são apresentadas reportagens sobre as novidades e os bastidores da comunicação brasileira.

Transmitido pela TV Gazeta todo primeiro domingo de cada mês à 0h00, logo depois do Mesa Redonda.

O Edição Extra é a oportunidade para os alunos de Jornalismo e de Rádio e TV da Faculdade Cásper Líbero aprenderem como fazer um programa telejornalístico de verdade. Nele, os estudantes podem exercitar e experimentar novos formatos de reportagens para TV, sem se prender aos padrões preconcebidos dos programas comerciais. São os alunos mesmos que produzem, realizam, editam e apresentam as próprias matérias, sob o acompanhamento dos monitores e supervisão do professor responsável.”

Obs.: Este colunista sempre apoiou, incentivou e criou condições – enquanto na direção de emissoras de rádio e como produtor-executivo de TV – para a entrada de futuros profissionais saidos há pouco das faculdades.

Aprendizes, quando têm talento para a profissão, e são bem orientados, quase sempre se saem bem. Por isso, sempre advoguei a prática do estágio antes do término do curso.

TAS x HUCK

Segundo a definição que aparece no Google (Wikipédia), Twitter é uma Rede social e servidor para microblogging que permite enviar e ler atualizações de outros contatos em textos de até 140 caracteres, conhecidos como “tweets”, através da própria Web ou por SMS.

Para dois conhecidos comunicadores da TV brasileira. esse serviço, nova mania da net, está possibilitando uma inútil guerrinha de vaidades: Luciano Huck, da Globo,  não admite ser superado em “seguidores” por Marcelo Tas, da Bandeirantes, daí uma sucessão de ações incentivadas por ambos a fim de faturar prestígio (sic).

Tipo da coisa de gente que não tem o que fazer. Se a moda pega…

PONTO FINAL, DOIS PONTOS

1. Ronaldo continua “queimando” a língua de muitos afobados que não acreditavam na sua volta por cima ao futebol.
2. Gente (da crônica esportiva) que vive comendo cru.
(ah que saudade dos tempos de Pedro Luiz, Mário Moraes, Waldyr Amaral, João Saldanha, Fiori Gigliotti, Loureiro Junior e de muitos outros que fizeram um grande rádio esportivo no Brasil)

P.S.M. Post Script Musical destaca: da capa do site do Memorial Hélio Ribeiro (http://www.memorialhelioribeiro.com.br/v4/):

“Em 1985, Michael Jackson se uniu a Lionel Richie e Quincy Jones na missão de arrecadar fundos para a campanha USA for África. A ideia era gravar uma canção cujos lucros seriam revertidos para reduzir os índices de mortalidade pela fome no continente africano. Lionel compôs, no piano, a melodia. Michael escreveu a letra em um único dia. O resultado eles chamaram de `We Are The World´. Para gravar a canção, Quincy Jones convidou 44 celebridades da música e televisão, incluindo Cyndi Lauper, Diana Ross, Ray Charles e Stevie Wonder. O projeto arrecadou 200 milhões de dólares para a luta contra a fome na Etiópia.

Michael ganhou dois Grammys por `We Are The World´: `Canção do Ano´ (com Lionel Richie) e `Gravação do Ano´ (com Quincy Jones). A canção recebeu também outros dois prêmios na cerimônia.”

Escute abaixo “We Are The World” com tradução livre de Helio Ribeiro para o português.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *