A DESMAZELADA- GRUPO CÊNICAS NA RÁDIO QUESTIONA HUMOR E MACHISMO

Publicado em: 30/04/2007

Pelópidas é um esmerado funcionário de uma empresa que deseja ser promovido, mas recebe recusas sempre com a desculpa de que não se veste decentemente. Sua esposa, Dorotéia, ao ver-se culpada pela falta de asseio do marido e chamada de desmazelada, dispõe-se a ajudá-lo.
Por Joana Neitsch
Bolsista do Projeto Cênicas na Rádio

Após o empenho em engomar as roupas de Pelópidas e perfumá-lo, deixando-o perfeitamente arrumado, o casal é frustrado pela nova negação de um melhor cargo para Pelópidas. Quando recebe “conselhos” da vizinha alcoviteira e ouve de seu marido que a esposa do último funcionário a ser promovido fazia algumas visitinhas ao chefe ao chefe, Dorotéia resolve mudar de atitude e visitar o chefe de Pelópidas. É então que a “sorte” do casal começa a mudar.
Este é o enredo da peça A Desmazelada peça completa para rádio, de autoria de Gustavo Neves Filho. A peça, de 1964, foi transmitida no programa Bazar de Emoções da Rádio Diário da Manhã, com o patrocínio dos Estabelecimentos Modelar.


Grupo do Projeto Cênicas na Rádio no estúdio do Curso de Música da UDESC.

Quando propus texto A Desmazelada ao nosso grupo, do Projeto de Extensão Cênicas na Rádio, todos o acharam engraçado e houve surpresa ao se conhecer o desfecho da peça, levando-se em conta o caráter extremamente moralista da época. Sem apelar à melancolia ou amores infinitos, o tempero dessa peça é a ironia e o retrato de uma realidade que todos sabem existir, mas poucos ousam comentar.
Antes de fazermos a gravação, porém, a atriz Lucrecia Silk (intérprete da Vizinha) chamou atenção para o conteúdo da peça, não de um ponto de vista moralista, mas sim para a conotação machista da peça, que coloca a mulher como moeda de troca. A submissão da personagem Dorotéia vai desde a mulher responsável pela imagem do homem (sempre a culpada em caso de fracasso) até aquela que se submete a qualquer sacrifício, como que despida de sentimentos, para a satisfação dos interesses financeiros dela e, claro, de seu marido. Realmente, perante a discussão de gênero hoje existente, se tal abordagem for feita de forma descontextualizada, ainda que tenha caráter cômico, pode dar impressão de apenas estar retomando os preconceitos de outrora. A regravação da peça, contudo, tem um caráter reflexivo, no sentido de podermos observar o que se fazia e ter parâmetros para hoje fazer críticas e bom humor, não se preocupando simplesmente com o politicamente correto, mas lembrando que o rádio e arte tem uma função social e uma imensa capacidade de disseminação de idéias.


Atriz Lucrécia Silk, intérprete da vizinha em A Desmazelada.

O final de A Desmazelada é bastante previsível, nem por isso perde o caráter cômico, até porque hoje ao se ouvir a interpretação dos atores, a sonoplastia e juntá-los ao indispensável imaginário do ouvinte a peça ganha graça, sem deixar de despertar os questionamentos antes abordados.
:: Áudio 1
:: Áudio 2
O Projeto de Extensão Cênicas na Rádio existe desde 2005, na Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, sob a coordenação do professor doutor Milton de Andrade. O projeto é desenvolvido no Centro de Artes da UDESC, e além de uma bolsista conta com a colaboração de voluntários, a maioria deles do Curso de Artes Cênicas. Voluntários de fora da Universidade também podem participar do projeto.
E-mail para contato: [email protected]

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *