Autofagia, isso pega e um dia a casa cai

Publicado em: 23/06/2012

Há certas coisas acontecendo que merecem comentários e análises, muito embora ofereçam grandes riscos a quem se aventure nesse campo minado. Ninguém gosta de ver colocados em público seus defeitos, suas malandragens, picaretagens e trambiques. Seja um famoso homem público, um empresário ou simples funcionário, ninguém mesmo, aceita a crítica honesta a um comportamento incompatível com os bons costumes, a honetidade, enfim a verdade acima de tudo. Nesse tempo que estamos vivendo no Brasil, onde os ídolos, sejam atletas, artistas ou homens públicos, aparecem em cenas  fora do roteiro do bom comportamento, se distanciam dos padrões que deveriam servir de exemplo para população.

As pessoas, parece, até que perderam a vontade de  se indginar com as coisas erradas, com a falsidade, a fraude e a mentira. O que deixa a gente sem muita esperança de uma mudança de comportamento é ver nos meios de comunicação algumas lideranças exibindo arrogância e desfilando cachoeiras de mentiras para enganar o cidadão.

Dia desses na televisão um politico aqui do sul, anunciava a construção de 50 quilômetros de duplicação numa rodovia pedagiada. Trata-se de rodovia federal que foi entregue a uma empresa e cujo contrato prevê a duplicação de alguns trechos. O referido político anunciou a obra como se fosse de seu governo. A mentira anda em alta velocidade nas estradas e corredores de palácios e casas legislativas nesse pais.

Mas, não é so por aí. Um vizinho comprou um armário de cozinha, pagou e recebeu a promessa de que receberia o móvel no dia seguinte. Três dias depois e de vários telefonemas, muitos sem serem atendidos, foi informado de que nos próximos cinco dias receberia sua compra.

Esse é o pequeno cara de pau, provavelmente inspirado nos grandes, notáveis e célebres que frequentam os veículos de comunicação.

Um conhecido fez assinatura por dois anos, de uma das mais importantes revistas do país, recebeu dois números e em seguida comunicou mudança de endereço. Mudou de cidade, cerca de 120 quilometros de onde estava. Nunca mais recebeu a revista nem consegue falar com os responsáveis pelo telefone ou internet. Descobriu no “Reclame. com.” que a dita revista tem mais de 10 mil reclamações parecidas resgistradas nesse site. Fica a impressão, espera-se equivocada, de  que o país virou colônia de ferias de trambiqueiros, mentirosos e coisa e tal.

Suspeita-se de que está faltando vergonha na cara de muita gente e bota gente nisso.  Será que essa situação, um  dia vai mudar?

Quando vamos ver os homens que deveriam servir de exemplo, praticando a honestidade sem fazer esforço, com naturalidade?

É difícil para o cidadão que passou a vida toda construindo uma vida baseada em bons valores morais, viver num país, onde “se dar bem” significa ganhar alguma coisa, custe o que custar. Que coisa triste, não.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *