Em nome da criatividade!

Publicado em: 04/11/2014

“Mídia Criativa”. Este é o nome da minha coluna… É… Minha coluna. Muita gente me cobrava para que eu voltasse a escrevê-la, depois de vários anos. Na virada para o século XXI estava lá eu, um garoto, escrevendo para a site Telecentro e tendo outra coluna no portal Sampa On Line…

Luiz

Futuros executivos da televisão no início da carreira, como câmeras da TV Tupi: David Grinberg e Luiz Francfort (dir.), em 1954

A televisão não tinha entrado ainda nem em seu cinquentenário! Depois criei o Canal 1 – Memorial da Televisão Brasileira, sendo que pouco tempo depois assumi a direção do Museu Virtual da Televisão Brasileira (da Pró-TV, que até hoje atualizo no www.museudatv.com.br).

Só que os compromissos surgiram e acabei não continuando com a coluna. Ficou aquela saudade… Muitas ainda estão no ar e, acreditem: muitos me procuram para comentá-las. Virei pioneiro na preservação da memória da mídia na Internet sem querer. Fico feliz de ter inspirado tanta gente, apenas com o intuito de compartilhar conhecimento.

O tempo passou, mas aí, uns dois, três anos atrás me surgiu o convite de voltar com a minha coluna. Convite feito pelo Instituto Caros Ouvintes, mas deixei-o em aberto. Na época estava viajando o país como curador da exposição “60 Anos da Telenovela Brasileira”, uma parceria da Rede Globo com a Pró-TV – a associação dos pioneiros e profissionais da televisão (também conhecido como “Museu da Televisão”), da qual faço parte desde 2001, como já disse – entidade capitaneada pela pioneira do rádio e da TV, Vida Alves. Naquele período estava levando, aos quatro cantos do país, não apenas a história da telenovela brasileira, mas também a memória da nossa mídia, da televisão… de nossa radiodifusão.

Apesar de a história ser muitas vezes contada a partir do Eixo Rio-São Paulo (onde estão concentradas as principais cabeças-de-rede), eu aprendi nessas andanças a importância da mídia regional. Há muita história a ser contada e registrada. Muitas delas eu contarei aqui! Terá um pouco de tudo: sobre rádio, televisão, sobre os grandes nomes que impulsionaram a mídia em seus estados… Temos que valorizar aqueles que deram sangue por saberem a importância da mídia na evolução de suas regiões.

Sobre o convite do Antunes Severo e do Instituto Caros Ouvintes, eu não recusei. Fui motivado por amigos a aceita-lo. Alguns escrevem aqui, como Fernando Morgado, Lenita Cauduro e Renato Mazânek. Dos amigos, o mais recente (já de muitos anos) é o carioca Fernando Morgado, que também luta na preservação da memória de nossa mídia.

Já Mazânek e Lenita são pessoas também muito queridas, que estão presentes na minha história pessoal. Renato Mazânek é da primeira equipe da TV Paranaense (hoje RPC TV, canal 12 de Curitiba e afiliada da Globo). Assim como meu tio, Luiz Francfort, e minha mãe, Alzira – a primeira produtora e roteirista no Paraná (que, conhecendo, logo estará aqui acompanhando a coluna… meu tio também, que já é um assíduo leitor do Caros Ouvintes).

Voltando aos colaboradores, conheço Renato Mazanêk desde que eu era garoto – junto dele as histórias de quando eles levantaram aquela pequena emissora no Edifício Tijucas, no centro de Curitiba… Emissora que hoje é uma potência em todo Paraná. Já Lenita Cauduro é uma das pioneiras da televisão em Santa Catarina, através da TV Eldorado de Criciúma (hoje RBS TV Criciúma) – principal emissora da RCE (afiliada da Rede Bandeirantes), que foi coordenada artisticamente por um casal muito aguerrido, que sou suspeito de falar, pela admiração que tenho.

O mesmo Luiz e Regina da Glória Lopes. Sim, meus tios, que tanto se dedicaram pelo progresso da televisão em Santa Catarina. É por essa razão também que muito me orgulho de colaborar com um instituto radicado em terras catarinenses, como é o caso do “Caros Ouvintes”. Ah! Uma curiosidade: foi também em Santa Catarina, com apoio da RBS TV, que fechamos com “chave-de-ouro” a exposição “60 Anos da Telenovela Brasileira” em Florianópolis, no início de 2013, com milhares de visitantes por todo país.

Quando recentemente aceitei, definitivamente, o convite de Antunes Severo, ele me fez uma sugestão: “Nas tuas matérias, me permite a intromissão, sugiro que fales na carreira dos teus tios, principalmente quando dirigiram a TV Eldorado de Criciúma, aqui em Santa Catarina. Eles, além de pioneiros, foram inovadores e arrojados em manter uma programação local com tanto sucesso”.

Mesmo estando toda família nesta área de televisão, eu dedico especialmente aos meus tios a criação da coluna “Mídia Criativa”. O nome é inspirado neles, principalmente, mas também nos inúmeros profissionais que conheci e que conheço… Eles que mostram que o maior segredo para evolução da mídia é a criatividade. Além de ser preciso gostar do que fazemos para sempre criarmos.

Se a mídia deixar de ser criativa, ela deixará de existir. A criatividade é a maior expressão das ideias a serem propagadas pela mídia. Luiz e Regina são prova disso, pois usam da criatividade no que fazem até hoje. Francfort, por exemplo, hoje é um dos responsáveis pelo projeto do Aquário de São Paulo e da Cidade da TV, em São Bernardo do Campo. Fontes inesgotáveis de criatividade, cultura e entretenimento.

Sobre o nome da coluna, eu complemento que, além de falar da memória da mídia nacional (e das trajetórias regionais), falarei também aqui de iniciativas criativas. É apenas o começo. Quero que esta semente seja ajudada por vocês, sempre opinando e dando sugestões. Semana sim, semana não, estarei aqui, às segundas-feiras dialogando com vocês. Até a próxima!

 

2 respostas
  1. Lenita Cauduro says:

    Meu querido amigo, sinto-me extremamento honrada em ter sido citada na sua coluna. Parabenizo meus amigos do Caros Ouvintes pela iniciativa de trazerem um talento do seu calibre para a equipe. Serei eternamente grata a Luiz e Regina por terem sido meus mentores entusiastas e generosos, qualidade, aliás, que é tradição de família. Tenho certeza de que quem ganha somos nós do Caros Ouvintes por termos o privilégio de acompanhar suas colunas. Seja bem vindo meu caro e dileto amigo. Lenita Cauduro

  2. Lenita Cauduro says:

    Num mundo de disputas insanas, poder contar com amigos como Luiz e Regina, realmente “não tem preço”. Apostaram numa professora de Educação Física, sem a menor experiência e estiveram a meu lado sempre, me dando força e coragem para construir junto com eles, os melhores anos de minha vida.
    Pode parecer “coisa” de lápide mas, minha gratidão é eterna.
    Lenita Cauduro

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *