Relatório da ONU prevê estagnação da economia do Brasil

Publicado em: 17/01/2012

Joyce de Pina, da Rádio ONU em Nova York*

Previsão de nova recessão global

O documento “Perspectivas e Situação da Economia Mundial”, publicado nesta terça-feira,  prevê crescimento de 3,6% do PIB da America do Sul em 2012; desaceleração na China, Europa e Estados Unidos vai afetar negativamente a região.Um relatório divulgado nesta terça-feira pelas Nações Unidas prevê uma estagnação da economia brasileira, caso o crescimento continue desacelerado na China, Estados Unidos e União Europeia.Segundo o documento “Perspectivas e Situação da Economia Mundial”, a projeção de crescimento do PIB da América do Sul para 2012 é de 3,6%; de 2,7% para o México e América Central e de 3,6% para o Caribe.Um menor crescimento nos Estados Unidos e na Europa deverá segurar as exportações, as remessas e o turismo – todos importantes para a América Central e Caribe. Já a desaceleração da economia chinesa vai afetar a América do Sul, uma vez que a China é um grande importador das commodities da região e grande investidor na área.

De acordo com o economista chefe da ONU, Rob Vos, “as nuvens sobre a região estão cada vez mais escuras” e esse cenário poderá levar o Brasil a estagnar e o México a enfrentar uma recessão.

O relatório da ONU lembra que a maioria dos países da América Latina e Caribe tiveram um forte crescimento em 2011 e cita que o consumo interno, o aumento salarial e a expansão do crédito foram notáveis no Brasil e no México.

O documento também aponta para a depreciação do real na segunda metade de 2011, com a moeda brasileira se desvalorizando 20% em relação ao dólar.

O relatório prevê ainda risco de uma nova recessão da economia mundial. O levantamento foi feito pelo Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU, Desa e pela Conferência da ONU sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad.

*Apresentação : Leda Letra

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *