Santa Catarina perde o poeta C. Ronald

Publicado em: 26/10/2020

Morreu neste domingo (25/10), em Florianópolis, aos 84 anos, o poeta e juiz de Direito aposentado Carlos Ronald Schmidt, conhecido nos meios literários como C. Ronald. Nascido na Capital, em 2 de dezembro de 1935, Ronald foi um dos poetas mais importantes de Santa Catarina entre os anos 1960 e a atualidade.

Densa e intensa, sua poesia é marcada pelo pessimismo, pela angústia existencial, com profunda inquietação criativa (“visceral”, no dizer da colega jornalista Néri Pedroso).

O poeta estudou no Colégio Catarinense, formou-se em Direito em 1958 e passou no concurso para juiz em 1966. Na última comarca em que atuou, Biguaçu, construiu a casa definitiva de sua vida, onde morou por quase 50 anos.

Renegava os primeiros livros, “Poemas” (1959) e “Ariel” (1960), por considerá-los muito imaturos. Publicou mais dez obras, sendo “As Origens”, de 1971, uma das mais festejadas pela crítica.

Ronald fez parte do Grupo Litoral, uma dissidência do Grupo Sul, surgida no final dos anos 1950, que se propunha a praticar “arte pela arte”, em contraponto à visão engajada e progressista do Sul.

Perfil do poeta no Facebook

Era da Academia Catarinense de Letras desde 2013, ocupando a cadeira que fora de seu amigo Jair Francisco Hamms.

Durante muitos anos, tínhamos um encontro não marcado, aos sábados, no sebo Casa Aberta, em Itajaí, onde ele ia buscar livros que encomendava aos donos. Colocávamos a conversa em dia e nos divertíamos vasculhando as estantes à procura de bons livros.

Num dos últimos encontros com ele, no restaurante de seus filhos, apresentei-o à minha filha mais nova, Carolina. “Este é o Ronald, poeta e ex-juiz de Direito”. E ele, recorrendo ao sarcasmo habitual: “Hoje eu sou apenas um velho”. Em 2019 lançou o livro derradeiro, “Então esquece”.

Um poema

serei o espectro amassado de encontro ao paraíso?

Eu mesmo crio os anjos e os admito

fora da estação propícia

quero levar na garganta a viuvez

O visco podre que abre as veias do oceano”.

(do livro “As Origens”).

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *