Posts

Na vitrine da vida

Publicado em: 27/06/2014

Somos cartazes ambulantes ou manequins exibidos na vitrine da vida. Duvidam, cara leitora, leitor ou ouvinte? Pois olhem a inscrição em suas camisetas. Vivemos num mundo de exposição pública, sob os ditames da propaganda, disto não há dúvida. Nunca na história “ser” se confundiu tanto com “parecer”. E dentre essas formas de exposição, uma das […]

Um velho piano

Publicado em: 11/06/2014

Lá estava ele, no canto da loja de antiguidades. Um velho piano. Não um piano antigo e monumental como os pianos clássicos, mas um piano de armário, belo porém modesto, simples mas aparentando ser portador de todos os recursos que fazem de um piano esse instrumento singular, inigualável e insubstituível. Vê-lo ali, não me lembrou […]

Nossas plagas geladas

Publicado em: 05/06/2014

*Dedicada ao meu amigo Antunes Severo A neve sempre emociona, seja os que nasceram e vivem nas latitudes onde ela é frequente, seja os que, como nós, tropicais, a vemos de longe, com as lentes das fotos e dos filmes ou, hoje em dia, cada vez com mais facilidade, indo ao encontro dela, para tocar […]

O voo da morte

Publicado em: 28/05/2014

No céu azul do Rio, de beleza inigualável, vemos muitos voos. Voam os pássaros sobre a orla, desde o Recreio ao Leme. Quando se avizinha o pôr-do-sol, voltam do mar e sobrevoam as praias, as ruas, os edifícios, as casas, buscando o rumo do que resta da floresta tropical, procurando as árvores do descanso noturno. […]

Beijos

Publicado em: 16/05/2014

Beijos são sublimes. Qualquer beijo tem a essência do amor, mesmo quando escondido por detrás da volúpia, ou quando oculta a traição, pois a verdadeira substância do beijo é a verdade dos sentimentos, escondida muitas vezes daqueles que beijam. Lábios que tocam a pele fazem sempre dois contatos: um físico, outro transcendente. E ambos têm […]

A ressurreição dos trilhos

Publicado em: 16/04/2014

Vez por outra, em obras na cidade, lá aparecem eles. Agora mesmo, em São Domingos, um bairro de Niterói, as simples escavações superficiais para obras numa praça os revelaram, quase íntegros, com a fortaleza do aço brilhando milagrosa ao sol depois de muito tempo sob a terra. Falo dos trilhos de bonde. Eles estão por […]

A goiabeira do prédio vizinho

Publicado em: 20/03/2014

Temos uma relação antiga e profunda, eu e a goiabeira do prédio vizinho. Daqui de minha janela a vejo com carinho. Como eu, confinada entre altos edifícios, ela deve ter a nostalgia dos grandes espaços, dos goiabais da roça, que vivem também nos campos imensos da minha saudade. Seu caule marrom claro e amarelado, lisinho […]

Quem viu a cortesia passar?

Publicado em: 05/03/2014

A cortesia foi-se embora. Quem a viu passar, indo-se e nos deixando entregues à brutalidade e à falta de modos e maneiras? Não falo da cortesia que deu origem à palavra: maneiras dos homens da corte. Esta era falsa, oca, vazia, artificial como as perucas empoadas. Refiro-me à urbanidade dos gentis, daqueles que se respeitam […]

Parece com alguém

Publicado em: 05/02/2014

Não sou lá muito fisionomista. Apesar disso, como todo mundo, estou sujeito àquelas surpresas que chamo de “parece com alguém”. Falo daquelas ocasiões, prezado leitor, em que, vendo uma pessoa, ela nos lembra outra que conhecemos. Há parecenças óbvias. Não falo destas, mas daquelas mais sutis, que repousam em detalhes, em minúcias, num gesto, coisas […]

As Rezadeiras

Publicado em: 16/01/2014

Vivemos um tempo sem fé. Digo fé, não religiões ou seitas, que estas se multiplicam celeremente. Todo dia, novos “templos” e novas casas de oração surgem em cada esquina. Nada contra. Mas refiro-me àquela fé autêntica, àquela esperança verdadeira, àquela confiança cega no advento de milagres que produzem curas de doenças, efetivas melhorias de vida, […]