Um erro a ser corrigido

Publicado em: 19/06/2008

Para introduzir uma reportagem de rádio, o apresentador do noticiário lê uma chamada, popularmente conhecida como “cabeça”. O que acontece constantemente é que este texto vai de encontro ao texto introdutório da matéria do repórter. É o que batizei de cabeça contra cabeça. Podemos evitar isso. É só querermos.


 O responsável por evitar a “colisão” é o repórter e não o editor ou coordenador de jornalismo. O repórter pode entregar por escrito ou passar por telefone qual seria a melhor forma de chamar a sua matéria. Não leva tempo, não. É só questão de a estratégia virar regra nas emissoras. Muitas rádios fazem um jornalismo de primeira linha, no entanto pecam ainda neste detalhe, que me incomoda profundamente.
 Vamos a um exemplo:
-Cabeça do apresentador: “a inflação do mês de maio chega a cinco por cento. O governo diz que vai tomar medidas enérgicas para combater a alta dos preços. Reportagem de Hélio Souto”.
 – Texto introdutório do repórter: “a inflação de maio atinge cinco por cento. O governo quer combater a alta de preços”.
 Alguém me dá razão quando eu falo que a situação, a da redação dos textos, poderia ser aperfeiçoada? É só se acostumar com a idéia de “perder” um minutinho para acertar o que está errado faz muito tempo. O texto do repórter, para não bater de frente com aquele do apresentador, poderia ser iniciado da seguinte forma: “uma reunião com todos os ministros está marcada para a próxima semana. A palavra de ordem do Presidente Lula é que o governo encontre urgentemente soluções para reequilibrar o sistema monetário e a economia do país”.
Estou sendo muito chato? Muito exigente? Sinceramente, acredito que não. Em minhas aulas em Curso de Jornalismo bato nesta tecla: que devemos aperfeiçoar a reportagem em todos os sentidos. Neste caso, para que haja uma harmonia geral entre cabeça e texto do repórter. A falha (cabeça contra cabeça) não é encontrada somente nas ditas rádios do interior. Muitos jornalistas e radialistas do eixo Rio – São Paulo e de outros centros mantêm essa má tradição. Fica a reflexão.

2 respostas
  1. Aguinaldo Filho says:

    Absolutamente, e como isso chateia. Parece uma tremenda falta de coordenação da emissora. Isso vejo/ouço o tempo todo, inclusive na Globo News.
    Repeteco desnecessário por falta de atenção.
    Gente, evitem que mudemos de canal por algo tão básico, okay? Esta foi uma crítica construtiva, assim como acho que foi a do articulista!
    Aguinaldo Filho

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *